Curiosidades

As uvas mais cultivadas do mundo

07 maio 2018
  • 3877 visualizações
  • 0 comentários

A quantidade de uvas no mundo é extremamente grandiosa, mas você tem alguma ideia de quais são as mais cultivadas nos quatro cantos do planeta? Descubra agora.

Quais são as uvas mais cultivadas do mundo? Algumas uvas destinadas à produção de vinho são conhecidas mundialmente e toda essa popularidade é originada por diversos motivos. Ser emblemática de determinado país, compor algum assemblage ou rótulo famoso, ser nativa de uma região específica ou simplesmente conter uma história curiosa.

Dentro de todos esses contextos é fácil citar o nome de algumas variedades, mas você já se perguntou quais são as uvas mais cultivadas do mundo?

Em 2017, a OIV (Organização Internacional da Vinha e do Vinho) divulgou um relatório com dados sobre a diversidade global de videiras e uma visão geral de distribuição, abrangendo cerca de 75% da área de vinhas do mundo. Esse relatório traz informações de diversos tipos de uvas, seja para a produção de vinho ou consumo in natura (uvas de mesa).

Existem cerca de 12.250 castas identificadas como Vitis vinifera, porém, esse número inclui os nomes tidos como sinônimos e homônimos, ou seja, diferentes nomes para uma mesma uva. Sem abranger esses detalhes, a quantidade de variedades Vitis vinifera é estimada em 6.000.

Dica de leitura:  Série uvas – Chardonnay

Qual a uva mais cultivada do mundo?

O topo do ranking, com 365 mil hectares, é ocupado pela Kyoho, uma variedade tinta destinada apenas para o consumo in natura. Cerca de 90% da produção dessa uva está na China.

Mas como o nosso foco é o vinho, o primeiro lugar entre as castas tintas que são destinadas a produção de vinho, fica com a Cabernet Sauvignon, com 341 mil hectares, cerca de 5% do total da área mundial de vinha.

Muito cultivada em países como China, França, Chile Estados Unidos, Austrália, Espanha, Argentina, Itália e África do Sul, a Cabernet Sauvignon só perde para a uva de mesa Kyoho no ranking geral.

Seguindo a lista, a segunda uva tinta destinada a produção de vinho mais cultivada do mundo é a Merlot, com 266 mil hectares. Presente em 37 países, essa variedade ocupa cerca de 3% da área total de vinhas do mundo.

Já o terceiro lugar fica com a Tempranillo, com 231 mil hectares. Originária da Espanha, essa uva tinta é encontrada em 17 países, contudo, cerca de 88% dos seus vinhedos estão localizados no seu país de origem.

Dica de leitura:  Uvas: prata da casa x preferência nacional

Entre as brancas, o primeiro lugar com 273 mil hectares, fica com a Sultanina, uma variedade originária do Afeganistão, que pode ser utilizada para o consumo in natura, para a produção de frutas secas (uvas passas) e também para a produção de vinho, porém este último é muito raro atualmente.

Mas se tratando das castas brancas destinadas apenas para a produção de vinhos, a mais cultivada do mundo, com 218 mil hectares, é a Airen. Essa variedade é nativa da Espanha, e ocupa 22% das vinhas do país. Raramente é encontrada fora da sua origem.

Em segundo lugar está a Chardonnay, com 210 mil hectares. Considerada a rainha das uvas brancas, essa variedade é cultivada em 41 países, e entre os principais produtores está a França, Itália, Espanha, Estados Unidos, Austrália e Chile. A Sauvignon Blanc, com 123 mil hectares, ocupa a 3ª posição.

De todas as uvas conhecidas no mundo, que somam mais de 21 mil, apenas 13 ocupam mais de um terço da área mundial de vinhas, sendo seis produtoras de vinho. Olha só:

Tabela com as uvas para fazer vinhos mais cultivadas do mundo

Recomendamos para você:

( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
Escrito por: Nicole Batista

Sommelière e Bacharel em Química, fez imersão em algumas regiões vitivinícolas da Europa e América do Sul.