Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Dicas

Como ler rótulos de Vinho do Porto e da Madeira

26 janeiro 2016
  • 4363 visualizações
  • 4 comentários

Conheça as particularidades que podem ser encontradas nos rótulos de Vinho do Porto e Madeira.

Apesar de serem elaborados em Portugal e já termos falado sobre as informações que, geralmente, constam nos rótulos portugueses, o Vinho do Porto e o Madeira possuem particularidades e até legislação específica sobre o que precisam informar. E, por isso, merecem um espaço a mais para serem corretamente compreendidos.

Rótulo de Vinho do Porto

No caso dos Vinhos do Porto, o que diferencia seus rótulos dos demais portugueses são três informações principais:

“Menção tradicional”

São diferentes categorias em que esses vinhos podem ser alocados de acordo, principalmente, com o tipo de envelhecimento pelo qual passaram. Veja aqui quais são cada uma das menções que classificam os tipos de Vinho do Porto.

Teor alcoólico

Por se tratar de um vinho fortificado – que recebe acréscimo de álcool vínico – a indicação do teor alcoólico no rótulo de um Porto (comumente, entre 19% e 22%) é muito importante, pois é bem acima da quantidade encontrada na maioria dos demais vinhos. E esse fator pode não agradar ao paladar de alguém que os adquira inadvertidamente.

Doçura

Grande parte dos Vinhos do Porto é doce, mas há dois tipos com doçura reduzida, o Seco e o Extra Seco. Essas duas menções, geralmente, são as que aparecem nos rótulos. Dificilmente vemos as outras – Muito Doce, Doce, Meio Seco. Saiba mais sobre a doçura desses vinhos.

Rótulo de Vinho Madeira

A legislação para esses vinhos se assemelha à do Porto. A menção do teor alcoólico tem a mesma importância – aqui, os exemplares apresentam de 17% a 18% –, havendo também uma classificação por “tipos” e tendo o grau de doçura presente em alguns rótulos.

Dica de leitura:  10 vinhos brancos amadeirados para você provar

A grande diferença é que certos vinhos Madeira mencionam a uva da qual são produzidos. O que não encontraremos nos Portos que, em geral, são misturas ou blends. Resumindo, o rótulo e contrarrótulo de um Vinho da Madeira podem conter:
– D.O. (Denominação de Origem) – Madeira, neste caso;
– A marca (nome do vinho);
– Tipo, que podem ser:

  • Frasqueira ou Garrafeira – Vinho com indicação do ano de colheita e da casta, produzido pelo processo de canteiro e submetido a um envelhecimento contínuo mínimo de 20 anos em madeira.
  • Colheita – Deve trazer a indicação do ano de colheita e ser envelhecido continuamente em madeira por ao menos cinco anos.
  • Com Indicação de Idade – Vinho com direito ao uso da designação de idade, quando tenha qualidade em conformidade com os padrões, sendo as seguintes indicações permitidas: 5, 10, 15, 20, 30, 40 e mais de 50 anos.
  • Canteiro – Exemplar alcoolizado durante ou logo após a fermentação, sendo submetido a um estágio em madeira por no mínimo dois anos.
  • Reserva (ou Velho) – Vinho Madeira em conformidade com o padrão de cinco anos de idade.
  • Reserva Velha (Reserva Especial ou Muito Velho) – Vinho da Madeira em conformidade com o padrão de 10 anos de idade.
  • Reserva Extra – Vinho correspondente ao padrão de 15 anos de idade.
  • Selecionado – Vinho Madeira que apresente qualidade destacada para a idade em causa.
  • Fino ou Fine – Exemplar de qualidade com perfeito equilíbrio na frescura dos ácidos e conjunto dos aromas evoluídos com envelhecimento em madeira.
  • Solera – Menção reservada ao vinho produzido pelo processo de canteiro, cujo vinho base é de uma só colheita e de uma só casta e é submetido a um envelhecimento mínimo contínuo de cinco anos em madeira, que constitui a base de um lote. Após este período pode ser retirada anualmente uma quantidade que não exceda 10%, a qual é substituída por igual quantidade de outro vinho mais novo da mesma casta, até ao máximo de 10 adições.
  • Rainwater – Vinho que apresente uma cor entre o pálido e o dourado, com um grau Baumé compreendido entre 1,0º e 2,5º, podendo ainda ser associada à indicação de idade máxima de 10 anos ou outra equivalente.
Dica de leitura:  Como ler rótulos de vinhos brasileiros

– Grau de doçura (Extra Seco, Seco, Meio Seco, Meio Doce e Doce);
– A indicação do engarrafador;
– O volume nominal (ex.: 750 ml);
– Graduação alcoólica;
– Indicação “Vinho de Portugal”;
– Indicação do ano de engarrafamento;
– Indicação do ano de colheita, para os tipos: Frasqueira ou Garrafeira, Colheita e Solera;
– O número de lote do vinho;
– A indicação da uva – Atualmente, as variedades mais utilizadas na produção de vinho Madeira são: Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia, Terrantez e Tinta Negra.

Escrito por: