Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Enoturismo

Rotas de Bacalhôa

24 julho 2018
  • 671 visualizações
  • 0 comentários

Saiba mais sobre um dos mais tradicionais e históricos grupos vitivinícolas de Portugal, que também é um dos grandes destinos enoturísticos do país.

Oficialmente fundada em 1922 e com atuação em sete regiões vitícolas espalhadas por Portugal, a tradicional e premiada vinícola Bacalhôa Vinhos de Portugal é um verdadeiro pólo de produção de vinhos no país.

Inovadora em seus métodos e bastante respeitada internacionalmente, a empresa conta hoje com um total de 1.200 hectares de vinhas, 40 quintas, 40 castas e 4 adegas.

Verdadeiro patrimônio cultural português, a Bacalhôa é, além de grande produtora, um dos mais importantes destinos enoturísticos do país. O conceito “Arte, Vinho e Paixão” é o guarda-chuva de um rico roteiro de turismo e entretenimento que envolve a vinícola.

Entre experiências modernas e tradicionais, turistas podem visitar museus, quintas, adegas e monumentos que contam a história da região por meio da cultura e da arte.

Entre os destaques da rota enoturística da Bacalhôa estão o Aliança Underground Museum, um museu subterrâneo que, além de abrigar as tradicionais caves de vinhos, espumantes e aguardentes, exibe oito coleções de arte; o impressionante Bacalhôa Buddha Eden, o maior jardim oriental da Europa, que fica na Quinta dos Loridos, e ainda exibe esculturas de arte moderna, contemporânea e africana; o famoso Palácio da Bacalhôa, na Vila Nogueira de Azeitão, cuja fundação coincide com a Dinastia de Avis.

Dica de leitura:  Diversão e muito vinho em Portugal

De arquitetura clássica e imponente, o palácio é um dos destaques da visita; a Quinta do Carmo, centro de vinificação de todos os vinhos alentejanos da Bacalhôa; e, por fim, a sede da Bacalhôa, uma adega/museu que conta toda a história por trás de uma das maiores produtoras do país, além de exibir coleções artísticas importantes – uma sobre história angolana, outra sobre Art Deco e Art Nouveau e a terceira sobre a tradição secular dos azulejos portugueses. Beleza, cultura e arte que merecem ser celebradas com bons vinhos lusitanos!

Escrito por: