Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Curiosidades

Entre tapas e vinhos

21 agosto 2018
  • 1297 visualizações
  • 0 comentários

A história das tapas, ícone da gastronomia espanhola, se mistura à dos vinhos nativos. A seguir, contamos curiosidades sobre essa iguaria e damos dicas de como harmonizá-las.

Existem algumas teorias sobre o surgimento do folclórico termo tapas, que define uma das mais emblemáticas – e deliciosas – iguarias da culinária espanhola.

O que se sabe é que, em algum momento, o rei Alfonso X, “El Sabio”, teria exigido que as taças de vinho – servidas gratuitamente na Idade Média – viessem literalmente tapadas por um pequeno prato. Sobre a louça, algum alimento para amenizar os efeitos do álcool.

Outra versão é a curiosa história do rei Fernando II de Aragón, que solicitou que sua taça de vinho fosse coberta por causa das inconvenientes moscas, e foi prontamente atendido pelo taberneiro, que a cobriu com um pedaço de jamón.

Seja qual for a sua origem, fato é que as tapas entraram de vez não apenas na cartilha alimentar do país, mas em sua cultura – para os espanhóis, degustar tapas, de preferência acompanhadas de um bom vinho, é um evento social.

Dica de leitura:  Defeitos do vinho

A tradição é levada tão a sério por lá quanto o arroz com feijão por aqui, se misturando ao próprio conceito local de gastronomia; experimente sentar em um bar, restaurante ou bodega na Espanha e pedir uma taça de vinho.

A bebida virá acompanhada de uma tapa, tira-gosto que muitas vezes é encarado como uma verdadeira refeição. Uma tábua com cogumelos shiitake, queijo brie, tomates frescos com burrata e manjericão, e o famoso jamón, por exemplo, é um exemplo de como as tapas costumam ser servidas, individualmente ou em porções.

Também enraizado na cultura espanhola, o vinho que irá acompanhar esse clássico deve ser escolhido cuidadosamente, para garantir uma harmonização agradável e saborosa.

Vamos, então, aos ingredientes de um bom exemplar tipicamente castelhano: a uva mais nobre do país, Tempranillo, é bastante utilizada na produção dos rótulos por lá.

Dica de leitura:  Malbec e Cabernet Sauvignon: encontro de gigantes

Ao lado de outras variedades locais, como Monastrell, Garnacha, Graciano e Mazuelo, dá origem a vinhos elegantes e estruturados, frutados e levemente ácidos – perfeitos para harmonizar com as marcantes e saborosas tapas; e entrar definitivamente no clima espanhol.

Recomendamos para você:

( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
Escrito por: