Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Dicas

Como ler rótulos de vinhos italianos

28 outubro 2015
  • 2302 visualizações
  • 6 comentários

Dúvidas sobre os termos encontrados em rótulos de vinhos italianos? Descubra o que significam.

Entender rótulos de vinhos não é tão simples, mas também não é um bicho de sete cabeças. Para facilitar a vida, resolvemos explicar um pouco das muitas variações legais que existem de país para país.

Já falamos aqui sobre como ler rótulos de vinhos franceses e, hoje, é a vez dos italianos. O sistema italiano que determina como rotular as garrafas é baseado na região de produção. Por lá, a ideia predominante é a de que os vinhos refletem o terroir da região onde as uvas foram cultivadas.

O que complica é que a Itália possui mais de 350 regiões produtoras regulamentadas e em uma única região podem ser elaborados vários tipos de vinhos. Mas, resumindo, os vinhos italianos são divididos em quatro classificações:

Denominação de Origem Controlada e Garantida (DOCG)

Os vinhos DOCG são de guarda e possuem regulamentação mais rígida. Cada garrafa traz uma etiqueta de cor rosa, de acordo com o padrão do governo italiano, lacrando a rolha.

Dica de leitura:  A acidez no vinho

Denominação de Origem Controlada (DOC)

Esses vinhos são cercados normas, como restrições de uvas que podem ser produzidas na região, lucratividade produtiva, graduação alcoólica e práticas de fabricação.

Indicação Geográfica Típica (IGT)

Os rótulos destes vinhos trazem a indicação da área geográfica que pertencem (por exemplo, Veneto), o tipo de uva utilizada (por exemplo, Chardonnay) e a safra (ano da colheita da uva).

Vino de Tavola

No rótulo desses vinhos não pode ter o nome da uva, nem a safra, nem a região. Geralmente, têm apenas uma referência à cor (branco, tinto, rosé), o nome e logotipo do engarrafador.

Além dessa divisão por classificação, outras informações são obrigatórias nos rótulos dos vinhos italianos (na frente da garrafa ou no contrarrótulo, o que fica atrás):

Tipo de vinho, que, no caso da Itália, é a região produtora, seguido da classificação oficial da zona (DOCG, DOC, IGT ou Vino de Tavola):

. Nome do produtor;
. Nome, razão social e localização da sede do engarrafador;
. Graduação alcoólica;
. Quantidade do produto expresso em litros, centilitros ou mililitros;
. Número do lote do vinho;
. Se o vinho possuir mais de 10 mg/litro de anidrido sulfuroso, ele deve indicar no rótulo Contiene Solfiti.

Informações facultativas:

. Safra;
. Nome da uva;
. Nome do vinhedo;
. Nome da sub-região de produção, desde que permitida pela legislação;
. Nome fantasia.

Dica de leitura:  Saca-rolhas: como utilizar

Rótulo ou outro, podem aparecer termos que dão mais informações sobre o vinho. Os mais comuns são:

. Amabile: Semidoce;
. Azienda: Produtor;
. Chiaretto: Rosé;
. Classico: Produzido na zona mais antiga e tradicional da Região;
. Dolce: Doce;
. Fattoria: Propriedade;
. Novello: Vinhos muito jovens e que devem ser consumidos em, no máximo, três meses;
. Passito: Feito com uvas que passaram por um processo de secagem;
. Riserva: Vinho que teve processo de envelhecimento maior que a versão normal;
. Superiore: Com teor alcoólico maior que a versão normal;
. Tenuta: Propriedade.

Escrito por: