Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Enoturismo

A cultura do vinho na África do Sul

27 agosto 2018
  • 2324 visualizações
  • 0 comentários

Além de grandes produtores, os sul-africanos se posicionam, cada vez mais, entre os consumidores de vinho no mundo. Saiba mais sobre a cultura do vinho neste país e seu rico enoturismo, que atrai visitantes de todo o mundo.

A África do Sul é uma das nações que mais investem na enocultura em tempos recentes. Sétimo maior produtor, com 4,5% da produção mundial, e trigésimo maior consumidor do planeta, o país tem vivido seu melhor momento ao longo das últimas décadas quando o assunto são bons vinhos. E os números não param de crescer.

A história de como essa cultura teve início é incrível: é sabido que a Companhia Alemã das Índias Orientais se instalou em uma região próxima ao Cabo da Boa Esperança, no sul do país, em algum momento do século XVII.

A parada era estratégica para viajantes europeus que tinham longas jornadas entre seus países de origem e o continente asiático, e servia para reabastecer os navios com a bebida, que os ajudava a tolerar as intermináveis horas de navegação.

Com o fim do Apartheid na África do Sul, em 1994, a indústria sul-africana finalmente encontrou condições para seguir a todo vapor. Em 2017, quase 450 milhões de litros foram exportados, em um sistema que gera aproximadamente 300 mil empregos diretos e indiretos, distribuídos por mais de 600 vinícolas.

Dica de leitura:  Enoturismo em Buenos Aires

Há incentivo por parte de várias empresas e organizações locais e qualquer vinho exportado precisa ter uma licença de comercialização – um rigor necessário para que a qualidade seja sempre garantida.

A apenas 20 minutos da Cidade do Cabo, a região de Constantia é hoje a principal região vitivinícola do país, em função de suas características geográficas e climáticas ideais. Vales, montanhas, clima mediterrâneo, verões longos e ensolarados e grandes amplitudes térmicas configuram o clima perfeito para o cultivo das uvas.

Curiosamente, a maioria das uvas da África do Sul são internacionais: Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah para vinhos tintos, e Chenin Blanc, Sauvignon Blanc e Chardonnay para os brancos. Combinações deram origem, ao longo dos anos, a uvas nativas, como é o caso da Pinotage – cruzamento de Pinot Noir e Hermitage.

O resultado dessas combinações, aliado a uma série de produtores talentosos e muitas novas ideias, tem levado a cultura vinícola da África do Sul ao olimpo do universo do vinho no Novo Mundo, além de tornar o país um destino perfeito para o enoturismo, em franco crescimento na região.

Dica de leitura:  Conheça a Companhia das Quintas

Ao longo de mais de 800 quilômetros, a Rota 62 é considerada a maior rota vinícola do mundo em extensão. A rota do vinho de Franschhoek, cuja influência é francesa, é conhecida como a “capital gourmet” do país.

Já a simpática cidade de Stellenbosch, de influência holandesa, é rodeada de boas bodegas e deve agradar em cheio os amantes de bons vinhos, além dos seus restaurantes e bares.

Precisa de dicas específicas? Há até mesmo um aplicativo disponível para consumidores locais e visitantes, o Wine.Co.Za, sugerindo os melhores roteiros, rótulos e bodegas do país. E aí? Já escolheu seu próximo destino?

Escrito por: