Enoturismo

O terroir da Alsácia

08 julho 2016
  • 2115 visualizações
  • 1 comentários

A Alsácia, durante séculos, foi objeto de disputa entre a Alemanha e a França. Saiba mais sobre essa bela região francesa que possui um incrível terroir para a viticultura.

Situada no coração da Europa, a Alsácia fica no nordeste da França e faz fronteira com a Alemanha e a Suíça. O extenso Rio Reno banha algumas margens dessa província, que está entre 200 e 400 metros de altitude, no sopé da cadeia de montanhas Vosges.

Essas formações rochosas protegem a região da influência oceânica, trazendo como consequência um nível pluviométrico mínimo, um dos mais baixos da França.

Mencionado pelas antigas civilizações como o “tônico estimulante que faz você feliz”, o vinho está presente na cultura local desde o primeiro milênio. Na Idade Média, a bebida estava entre as mais valorizadas de toda a Europa.

O auge da viticultura ocorreu no século 16, porém, ele foi interrompido pela Guerra dos Trinta Anos, que devastou os vinhedos da região. O ressurgimento veio apenas após a Primeira Guerra Mundial com o lema “primeira qualidade”, desenvolvido pelos viticultores da época, focados na elaboração de vinhos com uvas regionais e de alto nível.

Atualmente com treze diferentes tipos de terroirs, a Alsácia possui um mosaico de solos, com diversas composições. É possível encontrar, lado a lado, parcelas constituídas de granito, calcário, xisto e arenito. Essa diversidade possibilita a expressão máxima de cada variedade de casta.

Dica de leitura:  Regiões satélites de Saint-Émilion

Com 90% da produção focada em vinhos brancos, a região destaca uvas como a Sylvaner, Pinot Blanc, Riesling, Muscat e Gewurztraminer. Apesar da pequena produção, é possível encontrar exemplares tintos, elaborados principalmente com a Pinot Noir.

Algumas dessas uvas são emblemáticas na Alemanha, devido ao fato da região estar na fronteira dos dois territórios e, também, pela forte ligação política e histórica.

Diferente da maioria das regiões vitícolas do mundo, todos os vinhos da Alsácia pertencem a uma Denominação de Origem. Essa regulamentação foi oficializada em 1945, com a delimitação das áreas das vinhas e a aplicação de rigorosas regras de cultivo e vinificação.

Ao todo, são 53 Denominações de Origem Controlada (AOC), sendo:

Alsace AOC

– Surgiu em 1962.

– É obrigatório engarrafar os vinhos na mesma região de produção.

– A garrafa verde e alongada, tradicional dos vinhos alemães e conhecida na região como “Flauta da Alsácia” é utilizada para os exemplares brancos.

Dica de leitura:  Conheça a Companhia das Quintas

Alsace Grands Crus

– Surgiu em 1975.

– Ao todo são 51 Grands Crus.

– Uvas autorizadas: Riesling, Gewurztraminer, Pinot Gris e Muscat. Mas existem algumas exceções.

– As uvas devem ser colhidas à mão.

– Os vinhedos estão localizados em áreas específicas, onde o terroir é considerado excepcional.

Crémant d’Alsace

– Surgiu em 1976.

– Apenas os espumantes estão nessa denominação. Todos devem ser elaborados com o método tradicional (o mesmo utilizado em Champagne, que consiste na segunda fermentação dentro da garrafa).

– Uvas autorizadas: Pinot Blanc, Pinot Gris, Pinot Noir, Riesling e Chardonnay.

– Os espumantes podem ser brancos ou rosés.

Com vinhos aromáticos, saborosos e cheios de personalidade, a Alsácia expressa em cada rótulo qualidade, história e dedicação.

O ClubeW Espumantes de julho traz um delicioso rótulo dessa incrível região. Vale a pena experimentar. Você vai se surpreender.

Espumante Comte de Rinken BrutEspumante Comte de Rinken Brut – Possui perlage delicada de tom discretamente dourado, aromas de maçãs verdes, mel e pão. Em boca, apresenta leveza, frescor, elegância e finesse que são muito sedutores.

Escrito por: Ana Cristina Fulgêncio

Formada em Bioquímica Agrícola e em Viticultura e Enologia, já atuou em vinícolas, desde a elaboração até a venda do produto final.