Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Experiência Wine

Entrevista com o Winehunter Manu Brandão

19 maio 2015
  • 1362 visualizações
  • 3 comentários

Saiba um pouco mais sobre o nosso Winehunter franco-brasileiro Manuel Brandão.

Os Winehunters, os nossos “caçadores de vinhos”, viajam por todo o mundo, em busca de rótulos que irão compor as seleções do ClubeW e todo o portfólio da Wine.com.br.

Confira a entrevista com o nosso Winehunter Manuel Brandão, que em 2014 foi nomeado Comendador de vinhos de Bordeaux, título concedido pela La Commanderie Du Bontemps, para conhecê-lo melhor e entender um pouco mais sobre essa profissão incrível.

Sommelier Wine – Como você entrou no mundo do vinho?

Manu Brandão – Eu tive a sorte de nascer em Bordeaux, na França, o que já foi de grande ajuda. No país, a cultura do vinho é muito antiga e forte e, na escola, há muitos trabalhos relacionados a vinhos.

Quando eu tinha 11 anos, participei do processo de vinificação em uma vinícola, o que foi meu primeiro passo no mundo do vinho. Depois, comecei a trabalhar com gastronomia, em restaurantes, fazendo a seleção e a carta dos rótulos e fiquei 14 anos trabalhando com isso, em Bordeaux.

Inclusive, ganhei um prêmio que as melhores cartas de vinhos de Bordeaux recebem, a ‘Plaque d’Argent’, placa de prata, do CIVB. Fui para o Brasil, em 2002, e abri um restaurante em Curitiba.

Sommelier Wine – Como você conheceu a Wine?

Manu Brandão – Além do restaurante, eu abri, também, uma importadora de vinhos no Brasil, a fim de trazer bons rótulos franceses a preços justos. Comecei a vender vinhos não apenas no Sul do país, onde morava, mas também nos outros estados, inclusive no Espírito Santo, para a Wine.

Dica de leitura:  Julgamento de Paris

Sommelier Wine – Como você se tornou Winehunter?

Manu Brandão – Você se torna um Winehunter por experiência e por oportunidade. Winehunter pode ter vários nomes no mundo, aliás, esse nome eu ainda não tinha escutado.

Ser Winehunter é procurar um vinho para se adequar a um determinado mercado, independente do paladar pessoal. Já era algo que eu fazia quando comecei a importar.

Quando voltei para França, em 2013, a minha intenção era continuar buscando vinhos franceses para oferecer para o mercado brasileiro.

Em conversa com o Rogerio Salume, o CEO da Wine, ele me perguntou se eu era um Winehunter e eu nem sabia direito o que era, rsrsrs. Fui pesquisar, então. E, sim, eu já era um Winehunter.

Winehunter - Manu BrandãoSommelier Wine – Quais são os prós e contras da profissão?

Manu Brandão – Os prós são poder viajar o mundo todo, conhecer outras culturas, outros métodos de vitivinicultura, é um conhecimento imensurável.

Dica de leitura:  ClubeW 7 anos

Eu conhecia muito os vinhos franceses e a oportunidade de conhecer os outros vinhos é o maior fator positivo. Além disso, eu descobri algumas verdades sobre todo o processo de produção, de lugares diversos, diferentes da visão que eu tinha.

Os contras são as muitas viagens, as muitas conexões, o longo tempo em aeroportos, a correria e, com isso tudo, não poder estar sempre perto da família.

Sommelier Wine – Qual a região vinícola que mais te surpreendeu?

Manu Brandão – A África do Sul. Fiquei impressionado com a organização, com os vinhedos, com a paisagem. O visual é fantástico!

Sommelier Wine – Qual o maior desafio da profissão de Winehunter?

Manu Brandão – O maior desafio é acertar. Quando você seleciona um vinho, você está escolhendo para uma proposta especial. Você tem dúvida – sempre. É necessário repetir a degustação. O trabalho é difícil.

Você tem que experimentar várias vezes, pode demorar um, dois anos, até você se decidir. É preciso saber a regularidade da vinícola, há todo o processo de negociação, que pode demorar.

E aí tem que esperar embarcar, chegar ao Brasil. Depois, você fica ansioso pra ver a aceitação do vinho.

Acompanhe os próximos destinos dos nossos Winehunters no Diário do Winehunter.

Escrito por: Bia Miranda

Redatora e revisora da Wine, além de perdidamente apaixonada - e curiosa - pelo mundo do vinho.