Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Sommelier Wine

Série uvas – Nebbiolo

11 setembro 2013
  • 3948 visualizações
  • 0 comentários

A Nebbiolo é a rainha do Piemonte e seu nome vem de nebbia (neblina em italiano), pela neblina sempre presente nas encostas da região ou pela cor da casca. Saiba mais!

A Nebbiolo é uma uva de personalidade forte e raramente se adapta em outros terroirs. Nobre, é a grande responsável pela estrutura e elegância do Barolo e do Barbaresco, vinhos italianos de prestígio internacional.

Exibe resultados excelentes e diferentes dependendo de onde e como é cultivada. Assim como outras uvas italianas, pode ser conhecida por outros nomes como Spanna, nas DOCG’s Gattinara e Ghemme, ou Chiavennasca, em Valtellina, na Lombardia.

Sua produção está concentrada no noroeste da Itália, no Piemonte e em Lombardia, destacando-se expressivamente a primeira região. Fora do país, muitos produtores aventuram-se na sua produção, mas nem todas as tentativas são bem sucedidas. Ocasionalmente podemos encontrá-la em alguns vinhos da Austrália, Califórnia, África do Sul, Argentina e até mesmo no Brasil.

Características da Nebbiolo

É uma uva de difícil adaptação, mesmo em sua região de origem. Ela requer cuidados especiais, tendo preferência na escolha dos melhores posicionamentos nas encostas para que possa crescer e amadurecer em sua plenitude, visto que sua maturação é tardia.

Dica de leitura:  Série uvas – Zinfandel, a joia californiana

Quando atinge seu ápice, exibe vinhos marcantes, de coloração profunda que, quando jovens têm forte acidez e taninos muito firmes, praticamente impossíveis de se beber. Mas, depois de um longo descanso – alguns chegam a amadurecer 10 anos antes de serem comercializados – se tornam incríveis. Estruturados, elegantes, com acidez e taninos equilibrados na medida certa, sem falar no intenso aroma de frutas negras, violeta, rosa, alcatrão, especiarias e couro.

Características dos vinhos da uva Nebbiolo

Os barolos são únicos e figuram entre os melhores do mundo. Tem riqueza aromática, sabores persistentes, são muito austeros quando jovens, necessitam de envelhecimento para atingir o seu melhor ponto de consumo, cerca de 10 anos.

Já os barbarescos têm menos taninos, são mais macios que os barolos e não precisam de longo envelhecimento para serem consumidos. São também muito aromáticos.

Dica de leitura:  O vinho no paladar

Os demais nebbiolos não têm obrigatoriamente que ter um longo envelhecimento em madeira, apresentam cores mais jovens com aromas frutados, mas sempre com a marca dos taninos potentes e da refrescante acidez.

Dicas de harmonização com vinhos da Nebbiolo

Os vinhos da nebbiolo são gastronômicos e vão bem com comidas encorpadas e ricas, como ensopados e ragouts à base de carnes que são ótimas opções. Além de carnes de caça, massas com molhos cremosos e queijos maduros. A untuosidade da comida suaviza os taninos e a acidez do vinho limpa a boca.

Seguem algumas sugestões: ossobuco com polenta cremosa, costeleta de cordeiro assada, espaguete à carbonara e queijo grana padano.

Escrito por: