Sommelier Wine

Série uvas – Malbec

29 abril 2010
  • 6130 visualizações
  • 0 comentários

Quando pensamos em Malbec, rapidamente associamos a uva à Argentina. Mas, na verdade, seu passado se associa também à região de Bordeaux e ao Sudoeste da França, onde ainda é cultivada, em Cahors. Saiba mais!

O livro El Malbec Argentino, do autor Gustavo Chorén, afirma que a Malbec chegou à Mendoza em 1853, vinda do Chile, junto de várias outras cepas francesas. O primeiro vinhedo de Malbec foi reconhecido oficialmente em 1856, na região de Godoy Cruz.

Os vinhos feitos com essa uva costumam apresentar aromas de frutas vermelhas e negras, que poderão ter, conforme o clima e quando foi feita a colheita, perfil maduro ou em compota, também presença de especiarias e notas florais. Além do perfume, tendem a ser densos e escuros. Com taninos macios, a uva tem boa acidez e pode ganhar complexidade se amadurecida em carvalho.

Porém, a Malbec adquire características distintas conforme país e região onde é cultivada:

Na Argentina, ela tem a maior superfície entre as uvas finas tintas, ultrapassando, por exemplo, a clássica Cabernet Sauvignon. Os vários terroirs do país oferecem estilos diferentes e as principais áreas produtoras são Mendoza, o Norte (Salta e Catamarca) e Patagônia.

Dica de leitura:  Série uvas - Trincadeira

Em Mendoza, o vinho pode ser retinto, com expressão mineral, frutas negras, especiarias doces ou floral. Já as regiões de Salta e Catamarca produzem um vinho de personalidade marcante, com aromas de frutas vermelhas e negras maduras, pimenta e pimentão, bem como taninos firmes mas elegantes. Da região da Patagônia têm origem os vinhos mais moderados, ligeiramente mais frescos, de aromas de frutas negras maduras e acento mineral marcante.

Na França, na região de Cahors, a Malbec é denominada Côt ou Auxerrois. Os vinhos dela em geral são de cor densa, frequentemente com maior acidez natural, com aromas de violetas, frutas negras, alcaçuz e mentol. Alguns são longevos, principalmente, quando misturados com a uva Tannat, e podem evoluir por mais de 15 anos em garrafa.

No Chile, onde alguns acreditam não haver o cultivo da uva Malbec, ela origina muitas vezes vinhos mais encorpados, ácidos e com mais taninos que os argentinos. É comum que a encontremos em loteados blends com Cabernet Sauvignon, Carménère ou Syrah, entre outras.

Dica de leitura:  Além do vinho: o pisco

Os Malbecs são companhias perfeitas para pratos à base de carne vermelha, sobretudo cortes suculentos e generosos, e também para algumas variedades da tão tradicional pizza.

Recomendamos para você:

( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
Escrito por: