Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Sommelier Wine

Série uvas – Trincadeira

14 novembro 2016
  • 2568 visualizações
  • 0 comentários

Conheça a uva portuguesa Trincadeira, que dá origem a vinhos deliciosos e cheios de personalidade.

O universo das uvas portuguesas é vasto tanto no número de variedades quanto na criatividade para os nomes. A protagonista deste texto, porém, não chega a ser tão estranha no nome quanto é surpreendente em suas qualidades.

A Trincadeira é uma uva portuguesa que está entre as mais difundidas no país, adaptando-se especialmente bem em regiões quentes, secas e com muito sol, como o Alentejo, onde é muito presente.

Ela tem um perfil muito produtivo, com tendência a altos rendimentos, mas muitas vezes irregulares, além de ser suscetível a algumas doenças. Não é de fácil cultivo e precisa ser acompanhada, limitada em seu vigor, para produzir frutos de alta qualidade para os vinhos.

Quando a variedade atinge o seu melhor, dá vida a excelentes exemplares, elegantes e equilibrados, com acidez média, taninos macios e grande intensidade aromática, evidenciando principalmente frutas e flores, também pimenta e especiarias, além de terem ótimo potencial para amadurecimento em carvalho.

Dica de leitura:  Série uvas - Vermentino

São raros os rótulos em que a Trincadeira é encontrada como varietal. No Alentejo, por exemplo, comumente a encontramos em cortes com a Aragonês. Já no Douro, onde é conhecida como Tinta Amarela, costuma ter a companhia da Touriga Nacional e de outras variedades durienses.

Quanto aos nomes, a Trincadeira tem vários sinônimos em terras lusitanas. Além de Tinta Amarela, no Douro, a encontramos em outras regiões como os nomes de Trincadeira Preta, Rabo de Ovelha Tinto, Mortágua, Preto Martinho, Espadeiro, Murteira, Castiço e Crato Preto.

E para harmonizar com um vinho em que essa variedade predomine? Lembrando sua boa acidez e o estilo que vai do frutado ao condimentado, com especiarias, serão ótimas opções pratos com carnes como cordeiro, cortes suínos e bovinos com molhos picantes e condimentados (não excessivos, claro) ou com charcutaria na composição, por suportar bem o teor gorduroso das receitas. São, em geral, vinhos bem versáteis à mesa.

Dica de leitura:  Por quanto tempo é possível guardar o vinho?

Prepare-se para o lançamento do ano

Para que você conheça melhor e tenha experiências fantásticas com essa uva, uma grande novidade está por vir. Fique atento! Em breve, faremos o lançamento de um exemplar português, com a Trincadeira na composição, que vai parar o mundo do vinho.

Enquanto ele não chega, experimente alguns rótulos elaborados com a Trincadeira. Saúde!

Quinta de São João Cuvée RB DOC do Tejo 2015Vinho Quinta de São João Cuvée RB DOC do Tejo 2015 – Tinto português com aromas de cereja, ameixa, especiarias, nuances mentoladas e de carvalho. No paladar, é aveludado e possui sabores frutados.

Julian Reynolds Grande Reserva 2006Vinho Julian Reynolds Grande Reserva 2006 – Tinto que envolve pela boa estrutura e complexidade com taninos maduros e elegantes. Os aromas recordam à ameixa em madura e notas de especiarias.

Quinta dos Murças Reserva DOC Douro 2010Vinho Quinta dos Murças Reserva DOC Douro 2010 – Tinto português com aromas de frutas vermelhas e negras maduras, com notas de amadurecimento e nuance de tabaco e especiarias.

Escrito por: Ana Cristina Fulgêncio

Formada em Bioquímica Agrícola e em Viticultura e Enologia, já atuou em vinícolas, desde a elaboração até a venda do produto final.