Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Curiosidades

Mudanças de clima impactam na produção de vinho? Entenda por quê

23 janeiro 2020
  • 97 visualizações
  • 0 comentários

Temperatura, sol, chuvas e muitas outras características climáticas devem ser perfeitas para que você possa degustar um vinho de qualidade

Cada vinho é único, e os apaixonados pela bebida já sabem disso. Entre as diversas razões que tornam cada garrafa tão especial está a influência do clima, que varia de acordo com a região onde ela é produzida.

Além disso, o clima é um dos fatores que está presente no terroir das garrafas. O terroir é um conjunto de fatores, como topografia, geologia, pedologia, drenagem, castas, intervenção humana, cultura, história e tradição.

As características do terroir dão a cada vinho aromas, sabores e colorações únicos, sendo que o clima é apenas uma parte dessa contribuição, porém muito importante no processo de produção da bebida.

Um clima ideal contribui para a produção de um vinho ideal, mas se o clima não estiver lá tão bom assim, toda a safra pode ser prejudicada, especialmente a das uvas que demandam cuidados artesanais.

A importância do clima para a produção de um bom vinho

Existem cinco aspectos climáticos a serem considerados no momento de produzir um vinho: temperatura, luz solar, chuvas, amplitude térmica e altitude.

As regiões vinícolas que recebem uma maior quantidade de luz solar e são mais quentes tendem a produzir vinhos tintos de acidez moderada e maior teor alcoólico. Já as vinícolas de clima frio são aquelas que produzem vinhos brancos ou verdes, mais refrescantes, de acidez elevada e menor teor alcoólico.

As uvas necessitam de luz solar e calor para seu amadurecimento. Quanto mais elevados esses índices, menor é o nível de acidez e maior o nível de açúcar. É por isso que cada região climática produz variedades de vinhos tão diferentes.

Dica de leitura:  Série Harmonizações Brasileiras - Amazonas

Para se desenvolver, as videiras também precisam de chuvas. O ideal é que elas sejam moderadas e distribuídas durante todo o ano, embora algumas variedades de uva prefiram mais ou menos água.

Chuvas fortes no período da colheita prejudicam a qualidade das uvas, fazendo com que os níveis de açúcar sejam menores e causando fungos indesejados.

A grande amplitude térmica, ou seja, a variação da temperatura ao longo do dia, pode beneficiar o cultivo das uvas, com temperaturas mais quentes favorecendo o amadurecimento durante o dia e temperaturas mais frias à noite, permitindo que a fruta descanse.

Devido ao impacto da amplitude térmica, as regiões vinícolas de clima quente se localizam em terrenos de maior altitude, garantindo que as noites sejam frias e que haja equilíbrio perfeito na temperatura ao longo do dia.

A situação das regiões vinícolas mais famosas

Neste ano, a França sofreu com extremos de temperatura. Ondas de calor secaram as uvas nas vinhas e interromperam seu amadurecimento, enquanto geadas, granizo e incêndios florestais prejudicaram a safra nas estações mais frias. A produção de vinho deve ter queda de 12% em 2019.

A região francesa de Bordeaux, no entanto, está próspera. Por lá, as altas temperaturas favoreceram a qualidade e quantidade para o Cabernet, Merlot e uvas brancas, além de evitarem o surgimento de fungos.

Dica de leitura:  Entre tapas e vinhos

Na região italiana da Toscana, houve atraso no ciclo de crescimento das vinhas devido a temperaturas frias e períodos chuvosos. Apesar dos contratempos, os últimos meses foram mais favoráveis e a expectativa é de obter-se Brunellos di Montalcino de qualidade, ou seja, vinhos de pouco tanino, de coloração rubi intensa, com alto teor alcoólico e ótimo potencial de envelhecimento.

O clima também impacta o consumo de vinhos

Não é apenas a produção dos vinhos que depende do clima. Os hábitos de consumo da bebida também mudam de acordo com a estação do ano.

Um estudo mostrou que as pessoas bebem mais nos meses mais frios do ano. Isso acontece porque o álcool é um vasodilatador e ajuda a aquecer o corpo, além de provocar sentimentos e emoções mais felizes.

Para se aquecer no inverno, a preferência é pelo vinho tinto, principalmente os mais concentrados e de elevado teor alcoólico, com bom corpo e estrutura. São boas opções o Tannat, o Malbec, o vinho do Porto e o Syrah. O branco do tipo Chardonnay também cai bem nos dias frios.

Já nos dias quentes de verão, a aposta é nos espumantes, brancos e rosés. Essas bebidas têm menor teor alcoólico, são mais refrescantes, jovens e menos complexas, e devem ser servidos gelados. Sauvignon Blanc e Riesling são bastante indicados para a estação, bem como o Prosecco.

Escrito por: Wine