Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Diário do Winehunter

Dois países, duas condecorações e um só rio

30 novembro 2016
  • 2018 visualizações
  • 2 comentários

Desta vez, estivemos na Espanha e em Portugal. Por lá, além de caçarmos novos vinhos e visitarmos diferentes regiões cortadas pelo rio Duero ou Douro, ganhamos mais duas condecorações.

A história vitícola de Ribera del Duero, na Espanha, une os vinhedos e os vinhos à personalidade e à cultura das pessoas de lá. A primeira referência vinícola da região tem mais de 2000 anos. A Cofradía del Vino de la Ribera del Duero recente foi constituída em 2002, com sede no famoso Castelo de Peñafiel, que também é um museu do vinho, localizado no topo de uma montanha. Foi ali que começou nossa jornada, na verdade, a minha jornada, pois o Vicente estava no Uruguai e não conseguiu estar presente na condecoração. Como sempre, esse evento é muito formal e o smoking é imprescindível.

Diário do Winehunter

Existem somente duas confrarias na Espanha e a de Ribera del Duero hospeda alguns dos grandes nomes do mundo do vinho como Vega Sicilia, Pintia e Protos. Tivemos um dia com degustações de exemplares e também de deliciosos produtos locais. Após a cerimônia, recebi o diploma de Cofrade de Honor.

A comemoração todo ano acontece em um vilarejo diferente. Desta vez, foi em Fompedraza. O dia acabou com um jantar e eu tive ainda a satisfação de fazer uma entrevista com a TV local.

Diário do Winehunter

Do dia seguinte, antes de voltar para casa, não poderia deixar de visitar a Bodega La Veguilla, cujos vinhos vai compor nossa seleção do ClubeW Premium de dezembro e compôs o Classic de novembro.

Dica de leitura:  Maratona de vinhos

Chegamos em Portugal pelo final do rio Douro, a convite da outra confraria renomada, a Confraria do Vinho do Porto. Chegamos um dia antes da condecoração e tivemos a sorte de poder participar da Festa de São João, na beira do rio, em Vila Nova de Gaia (foto do destaque), onde acontece a famosa Regata de barcos Rabelos (meio de transporte que carregavam as barricas de Vinho do Porto) de cada casa de Porto. Este ano, quem chegou em primeiro foi o barco da Casa Rozes.

Diário do Winehunter

Nessa viagem, quem nos acompanhou foi o nosso diretor de Marketing, o Luis Martini, que participou com a gente de algumas degustações. Na foto, uma que fizemos em Lisboa.

Diário do Winehunter

A Confraria do Vinho do Porto, a mais importante de Portugal, teve início em 1945. No entanto, havia muitas dificuldades nessa época para se criar uma confraria independente. Por isso, esse sonho só pôde ser realizado em novembro de 1982, com a constituição da Confraria do Vinho do Porto e sua instalação no Palácio da Bolsa, na cidade do Porto.

Além de prestigiar o Vinho do Porto em todas as oportunidades, a condecoração deve ser proposta por um Mestre ou pela Chancelaria e aceite em reunião de Capítulo. Os novos confrades recebem as insígnias das mãos do seu Mestre proponente durante a cerimônia, assinam o Livro de Honra da Confraria e recebem o seu Diploma, entregue pelo Chanceler. Aqui, estamos com os nossos padrinhos que nos indicaram, Pedro Branco, da Quinta do Portal, e José Rosas, da casa Ramos Pinto.

Dica de leitura:  Harmonização de Queijos e Vinhos

Diário do Winehunter

Essa é uma das confrarias mais formais. O evento dura cerca de 4 horas e acontece no espetacular Palácio da Bolsa, no Porto. Todos os Confrades e convidados formam um cortejo, seguindo a pé, até ao Museu dos Transportes – Edifício da Alfândega do Porto, fundado em 1859, na praia de Miragaia, segundo o projeto do arquiteto francês Jean-François Colson. Por lá, foram realizado o Jantar e Baile de Gala.

O jantar demorou um pouco porque a seleção de futebol de Portugal estava jogando a semifinal da Eurocopa. Todos estavam na expectativa. Nós esperamos com a família da Quinta do Portal, que elabora um espumante incrível. Depois de a seleção ter ganhado o jogo, o jantar fantástico finalmente foi servido.

Diário do Winehunter

Essa foi nossa última viagem para os países ibéricos. Para nós, é sempre uma grande satisfação poder compartilhar nossas histórias com você.

Merci a tous et a bientot!

Escrito por: Manu Brandão

Winehunter, francês e nativo de Bordeaux com mais de 25 anos de experiência no mundo do vinho.