Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Sommelier Wine

Olimpíadas das Uvas: entenda como funciona a pontuação de vinhos

29 julho 2021
  • 32742 visualizações
  • 0 comentários

Você conhece os critérios levados em conta para que um vinho seja pontuado e premiado? Saiba mais sobre os sistemas que reconhecem a qualidade dos vinhos mundo afora!

Apesar de ter se tornado popular na Idade Contemporânea, a história das Olimpíadas começou muito antes, ainda na Antiguidade, quando pessoas de outras cidades peregrinavam até a cidade de Olímpia, na Grécia, para participar das competições esportivas.

Assim como os atletas, que passam por provas e classificações que definem os melhores competidores de cada modalidade periodicamente, os vinhos também passam por avaliações que auxiliam na conceituação da qualidade da bebida. É como se fosse a Olimpíada das uvas!

Se você for assíduo no universo dos vinhos, com certeza já deve ter notado que muitos rótulos sinalizam com orgulho e destaque a pontuação conquistada em determinadas avaliações. 

Dica de leitura: Gin: dicas para preparar um drink perfeito

Essas escalas de classificação funcionam como sistemas de pontuação dos vinhos, e também têm como finalidade deixar os enófilos veteranos atualizados sobre quais os melhores exemplares do mercado. 

Já para os iniciantes, a vantagem é que a pontuação facilita na hora de escolher um rótulo de qualidade para o consumo. 

É importante ressaltar que, ainda que a pontuação interfira na hora da escolha da bebida, o ideal é levar em conta nosso paladar pessoal para que a experiência enogastronômica seja satisfatória. 

Critérios de avaliação variam entre os sistemas de pontuação

Da mesma forma que existem competições distintas no mundo esportivo, no mercado dos vinhos não é diferente. Existem sistemas de avaliação variados, com critérios diversos de pontuação, que levam em conta aspectos como terroir, influências climáticas, tipicidade da região, composição das uvas, tipo e tempo de amadurecimento do vinho, entre outros.

Ou seja, é possível que um mesmo rótulo de vinho receba pontuações diferentes a cada safra e isso influencia bastante até mesmo no preço final daquele exemplar. 

Entre os mais conhecidos, está o sistema de 100 pontos, desenvolvido pelo renomado crítico Robert Parker, referência quando o assunto é inovação na área. Os vinhos julgados por esse sistema começam a ser classificados com nota 50. 

A partir de então, a avaliação leva em consideração características visuais, olfativa e gustativa, além do potencial de envelhecimento do vinho e o nível geral de qualidade. A cada critério, os avaliadores creditam pontos ao rótulo. 

No sistema Robert Parker, os vinhos pontuados se dividem em seis categorias:

  • Excepcionais: 96 a 100
  • Excelentes: 90 a 95
  • Muito bons: 80 a 89
  • Médios: 70 a 79
  • Abaixo da média: 60 a 69
  • Inferiores e inaceitáveis: 50 a 59

Vale ressaltar que todos os vinhos pontuados são relevantes, pois apresentam qualidade acima da média geral. Isso inclui os vinhos com pontuação inferior a 90, porque ainda podem revelar grandes surpresas aos enófilos. 

Taça de vinho sendo degustada ilustra post sobre pontuação de vinhos

Principais sistemas de avaliação de vinhos pelo mundo

Além do sistema Robert Parker, existem outras avaliações de destaque. Conheça as principais!

James Suckling (JS)

Um dos mais importantes críticos de vinhos da atualidade, Suckling foi editor da revista Wine Spectator por 30 anos até lançar o próprio site, em 2010. 

A classificação de James Suckling também é um sistema de 100 pontos, mas a pontuação mínima é 90. Neste sistema, os vinhos de 90 a 95 pontos são excelentes, já os de 95 a 100 pontos são classificados como “deve-se comprar”.

Vinous (V)

Uma das publicações de vinhos mais respeitadas do mundo, a Vinous foi fundada por Antonio Galloni em 2013. Além de Galloni, dispõe de uma equipe de renomados críticos e escritores, como Stephen Tanzer. Os vinhos também são classificados por meio da escala de 100 pontos.

Wine Spectator (WS)

A revista americana, disponível nas versões impressa e digital, é uma das mais tradicionais do mundo do vinho. Ano a ano, a publicação elabora uma lista com os 100 melhores vinhos do mundo. 

A relação é elaborada por uma equipe de especialistas e os vinhos entre 90 e 95 pontos são considerados “de destaque”, enquanto os de 95 a 100 pontos são chamados “clássicos”.

Descorchados (DS)

O guia Descorchados, impresso anualmente, pontua vinhos da Argentina, do Brasil, do Chile e do Uruguai. O sistema utilizado é o de 100 pontos, sendo que 80 é a pontuação mínima. 

Além da classificação numérica, o guia elege os melhores vinhos de cada país em diferentes categorias, como melhor tinto, melhor branco, entre outros. 

Wine Enthusiast (WE)

Uma das maiores revistas do mundo, fundada no final dos anos 1980. A publicação Wine Enthusiast avalia os vinhos com o sistema de 50 a 100 pontos, além de classificar por faixas de preço, como a lista Best Buys, uma das mais concorridas e comentadas do segmento no mundo inteiro.

Wine & Spirits (W&S)

A revista norte-americana é outra que figura entre as mais importantes avaliadoras de vinhos.  Foi a única a ganhar o prêmio James Beard por cinco vezes, graças à qualidade e relevância da publicação. Foi fundada em 1982 e chega a avaliar mais de 15 mil garrafas a cada ano. 

Gambero Rosso (GR)

O guia anual é especializado em vinhos italianos. O sistema de pontuação varia de 0 a 3 Bicchieri (“taças”, em italiano). Ao conquistar 3 Bicchieri por 10 vezes consecutivas, o produtor do rótulo recebe uma Stella (estrela).

Jancis Robinson (JR)

Uma das críticas mais respeitadas do mundo do vinho, a britânica Jancis Robinson é jornalista, e possui um sistema de pontuação próprio, em uma escala que vai de 12 a 20 pontos. Além disso, Robinson ainda é conselheira da adega da Rainha Elizabeth II.

Rótulos pontuados disponíveis na Wine

Enclos du Wine Hunter A.O.C. Bordeaux Rouge 2018

Integrante de um projeto desenvolvido pelos Winehunters da Wine, esse exemplar foi classificado com 88 pontos segundo James Suckling. 

O tinto bordalês é um blend entre as uvas Cabernet Sauvignon (50%), Merlot (40%) e Cabernet Franc (10%). Vai bem com filé mignon ao molho madeira, com talharim ao ragu de carne ou com mix de queijos semi maduros.

Partridge Flying Malbec 2020

Esse tinto mendocino da safra 2020 recebeu 90 pontos pela avaliação do guia Descorchados. É um Malbec fácil de beber, com corpo leve para médio e acidez agradável, desenvolvido pela Viña Las Perdices. 

Champagne Jacquart Mosaïque Brut

Elaborado a partir do método tradicional, esse champagne tem aroma rico em notas de frutas e brioches. Foi reconhecido com 92 pontos pela Wine Spectator. Em boca, é refrescante e cremoso, de médio corpo e elegante. 

Château de La Rivière A.O.C. Fronsac 2015

Com longo potencial de guarda (até 15 anos), esse tinto de Fronsac, na França, é elaborado pelo renomado Château de La Rivière. 

O blend recebeu altas pontuações de grandes críticos do mundo do vinho: 93 pontos segundo o Wine Enthusiast; 90 pontos pelo Wine Spectator; e 15 pontos segundo Jancis Robinson. É um vinho para ser degustado com calma e atenção, com mignon ao molho de nozes, cupim no barro, costela de javali ou magret de pato. 

Château Angelus 2015

A safra de 2015 foi considerada excepcional em Saint-Émilion, na França. Condições gerais perfeitas no ciclo da videira garantiram esse vinho estrelado, mais um exemplar para ser guardado e apreciado com calma. 

Château Angelus 2015 recebeu 97 pontos de Robert Parker; 99 de James Suckling; 97 da revista Wine Enthusiast; 96 pontos da Wine Spectator e 17 pontos de Jancis Robinson. 

É bom para ser apreciado com pratos untuosos, como arroz de pato, carré de javali em redução, picanha de cordeiro e risoto aos quatro queijos. 

Você conhecia os sistemas de pontuação de vinhos? Aprenda mais sobre a atuação dos sommeliers no episódio #55 do Wineverso Podcast, disponível nas principais plataformas de streaming! 


Escrito por: Wine