Abrir Menu Fechar Menu Abrir Campo de Pesquisa Fechar Search
Sommelier Wine

Dos tintos aos fortificados: conheça os principais tipos de vinho

14 julho 2021
  • 10486 visualizações
  • 3 comentários

Tintos, brancos, rosés, espumantes… Há uma grande variedade quando o assunto é vinho. Aprenda as características que definem cada tipo!

Muitas variáveis são levadas em consideração na hora de classificarmos um vinho. Para quem está dando os primeiros passos, é necessário entender as segmentações básicas de cada tipo.

Em busca de reforçar o conhecimento e preparar seu paladar para as próximas degustações, reunimos as principais informações que você precisa saber para diferenciar vinhos tintos, brancos, rosés, espumantes, frisantes e vinhos fortificados, além de sugestões de rótulos. Confira!

1. Tintos

Taças brindando ilustram post sobre tipos de vinho

O vinho tinto é um vinho com coloração avermelhada e taninos acentuados. É o tipo de vinho mais apreciado em todo o mundo e, como o próprio nome sugere, é feito a partir das castas tintas.

Com um grande leque de estilos e características, os vinhos tintos variam entre leves e encorpados, podem protagonizar harmonizações diversas à mesa com massas, carnes, queijos e mais. Durante o processo de produção dos vinhos tintos, as cascas são responsáveis por conferir cor, sabor e taninos à bebida, que também recebem classificação de acordo com o teor de açúcar: seco, demi-sec ou suave

Entre as uvas de mais destaque, estão Cabernet Sauvignon, Carignan, Carménère, Gamay, Garnacha, Malbec, Merlot, Syrah e Tannat.

Vinhos tintos indicados 

  • Enclos du Wine Hunter A.O.C. Bordeaux Rouge 2018: elaborado a partir do blend entre as castas Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc, tem passagem por barricas de carvalho francês. Com paladar frutado e corpo leve para médio, vai bem com filé mignon ao molho madeira, escondidinho de carne seca ou talharim com ragu de carne. 
  • Edna Valley Pinot Noir 2018: esse vinho californiano apresenta um blend de terroirs da Central Coast. Com boa complexidade de aromas e sabores, revela de maneira fiel as características da Pinot Noir cultivada nos Estados Unidos. Sirva-o com temaki de atum, escondidinho de camarão ou risoto de tomate seco com queijo brie. 

2. Brancos

Vinhos brancos ilustram post sobre tipos de vinhos

Feitos com uvas brancas ou tintas – nesse caso, utiliza-se apenas a polpa da uva, sem pigmento de cor -,  os vinhos brancos se apresentam como leves, frutados e com boa acidez. As castas mais conhecidas são Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, Pinot Grigio e Torrontés, que dão vida a vinhos mais leves que os tintos e com baixa concentração de taninos. 

Os vinhos brancos podem ter coloração amarelada ou mesmo serem quase incolores. São muito versáteis à mesa e indicados para acompanhar pratos com peixes, mariscos e carnes brancas em geral. Uma outra boa opção de harmonização pode ser com comidas de inverno, como fondue

Vinhos brancos indicados

  • Chono Valle de Itata Single Vineyard Chardonnay 2019: produzido no Valle del Itata, no Chile, tem passagem por barricas de carvalho francês. Apresenta mais corpo e untuosidade na boca, além de aromas de frutas tropicais e flores. É indicado para acompanhar pratos com frutos do mar ou vegetarianos, como pizza de abobrinha e purê de berinjela.
  • Durbanville Hills Atlantic View Sauvignon Blanc 2018: um branco para ser degustado sozinho ou harmonizado com pratos leves. Tem paladar frutado e delicado, ideal para ir à mesa com ceviche, massas com camarão, filé de peixe ou de frango com crosta ou bolinho de bacalhau.

3. Rosés

Vinhos rosés brindando ilustram post sobre tipos de vinho


Os vinhos rosés são conhecidos pelo sabor frutado e refrescante, além da sua coloração convidativa em tons rosados claros ou mais intensos. A acidez é outra característica marcante desse tipo de vinho, que cai como uma luva para o clima tropical brasileiro. 

Os rosés podem ser elaborados a partir de diferentes métodos, como a prensagem direta, a maceração curta, sangria, corte ou cofermentação. Descubra a diferença entre cada método nesta publicação sobre rosés!

Como são mais leves, têm a vantagem de não se sobrepor ao sabor dos pratos que acompanham na hora da harmonização

Vinhos rosés indicados

  • Roureda D.O. Tarragona Merlot Rosé 2018: elaborado pela vinícola espanhola Cellers Unió com práticas orgânicas e colheita manual. Traz aroma de frutas vermelhas e, na boca, é jovem e revela acidez bem sutil. Pode ser aperitivo ou acompanhar pratos da cozinha mediterrânea, além de sushi, sashimi e paella.
  • Vik A Rosé 2020: esse blend é amadurecido em tanques de aço inox e reúne as uvas Cabernet Sauvignon, Syrah e Cabernet Franc. Com sabor leve, fresco e jovem, é indicado para harmonizações com salmão grelhado acompanhado por legumes, canapés ou saladas.

4. Espumantes

Para produzir um espumante, é necessário elaborar primeiro um vinho base tranquilo (sem gás carbônico) e, depois, submetê-lo a uma segunda fermentação. No método Champenoise, também conhecido como método tradicional, a segunda fermentação ocorre dentro da própria garrafa. Já no método Charmat, em tanques pressurizados antes da bebida ser engarrafada.

Para ser chamado de champagne, o vinho espumante precisa ser produzido na região de mesmo nome, localizada no Nordeste da França. O mesmo vale para o espumante Cava, produzido na Espanha e para o italiano Prosecco.

Esse tipo de vinho ainda pode ser classificado de acordo com o teor de açúcar:

  • Nature: até 3g por litro de açúcar
  • Extra-brut: de 3 a 8g por litro de açúcar
  • Brut: de 8 a 15g por litro de açúcar
  • Sec ou Seco: de 15 a 20g por litro de açúcar
  • Demi-sec ou meio seco: de 20 a 60g por litro de açúcar
  • Doce: de 60 a 80g por litro de açúcar

Vinhos espumantes indicados

  • Champagne Montaudon Brut: cremosidade, boa acidez, médio corpo e delicada perlage definem esse champagne elaborado pela Maison Montaudon, fundada em 1891 na França. Sua temperatura ideal de serviço é 9 °C. Pode acompanhar ostras, salmão defumado, risoto de mariscos, moqueca e queijos brancos moles.
  • Espumante Salton Évidence: Os aromas desse espumante elaborado pelo método tradicional remetem a pão torrado, frutas cítricas, flores do campo e baunilha. Seco, elegante e cremoso, é uma ótima pedida para acompanhar espaguete ao pesto, espetinho de camarão, pratos da gastronomia japonesa e bolinho de bacalhau.

5. Frisantes 

Imagem de vinhos frisantes ilustra post sobre tipos de vinhos

Assim como os espumantes, os vinhos frisantes também têm gás carbônico, no entanto, não passam por uma segunda fase de fermentação. Ou seja, as borbulhas presentes na bebida são resultado da primeira fermentação.


Para ser considerado frisante, a graduação alcoólica deve ser de 7% a 14% e a pressão de 1,1 a 2 atmosferas. Entre os frisantes, o mais tradicional é o lambrusco, produzido na região da Emilia Romagna, na Itália. A temperatura ideal de serviço dos vinhos frisantes é de 6 a 8 °C.

Vinhos frisantes indicados

  • Porta Soprana Lambrusco I.G.P. Emilia Rosso Amabile: um exemplar tinto perfeito para momentos informais e descontraídos, elaborado pela tradicional Cantina Chiarli, com 150 anos de experiência. Tem aroma de frutas vermelhas como cereja e morango. Na boca é fresco e doce. Vai bem com tábua de queijos, arroz de forno e pizzas variadas. 
  • Frisante Pedro Teixeira Tinto: esse frisante português tem paladar frutado e macio, com boa persistência. Refrescante, deve ser consumido a 8° C e pode acompanhar sanduíche de pernil, kibe cru, tiras de filé acebolado e cogumelos recheados. 

6. Fortificados ou licorosos

Os vinhos fortificados ou licorosos são aqueles que possuem entre 14% e 18% de teor alcoólico. Na elaboração desse tipo de vinho, é permitido acrescentar álcool vínico ou algum outro tipo de bebida destilada para torná-lo mais forte e alcoólico. Quando o teor de glicose no vinho fortificado é de até 20g por litro, ele é considerado seco. Acima disso, o vinho é doce. 

Um dos destaques entre os vinhos fortificados é o vinho do Porto, produzido na Região Demarcada do Douro, em Portugal. Geralmente, esse tipo de vinho é uma boa pedida para acompanhar sobremesas como tortas, doces cremosos e até chocolate.

Vinhos fortificados indicados

  • Burmester LBV Porto 2015: elaborado com castas tradicionais do Douro, tem paladar frutado, doce, com boa acidez e taninos macios. Sirva-o com torta de nozes, petit gateau, rocambole doce, ou queijos azuis.
  • Bip Benjamin Marsala Superiore Riserva Oro Dolce Doc 2013: com notas olfativas de melão e mel, esse vinho licoroso italiano passa por amadurecimento de cinco anos em barricas de carvalho. Tem paladar doce e persistente, com notas de damasco e pêra. Combina com doces que levam ricota, além de queijos envelhecidos.

Agora que sabe as principais características dos diferentes tipos de vinho, aproveite as promoções exclusivas em nossa loja e escolha seu rótulo favorito!

Escrito por: Wine